Maracujá Laboratório de Artes

​O nome Maracujá Laboratório de Artes foi escolhido pelo grupo porque resume sua proposta artística: a “fruta da paixão” representa a paixão do grupo em pesquisar novas possibilidades a cada trabalho, mesclando sempre diversas linguagens para criar espetáculos tão singulares quanto sua flor, de beleza única.

Estas duas referências foram observadas em um pé de maracujá que existia na sede da companhia na época de sua fundação, e acabaram servindo de inspiração para o início dos trabalhos do grupo. As palavras “Laboratório de Artes” reforçam a vontade de seus integrantes de estar em constante pesquisa, experimentando linguagens artísticas que dialoguem com o teatro contemporâneo.
Desde sua fundação, em 2005, o Maracujá Laboratório de Artes vem realizando trabalhos artísticos, desempenhando diversas funções relacionadas à criação (como direção de arte e  cenografia) para espetáculos de várias companhias teatrais paulistanas, como Pia Fraus, Parlapatões, Cia da Tribo, Le Plat Du Jour, Meninas do Conto, Teatro Natio, Barracão Cultural, Bendita Trupe, Cia. Balagan, Circo Roda Brasil, entre outros, realizando também durante este tempo um contínuo trabalho de pesquisa e treinamento de seus atores em busca de uma obra autoral.
O Maracujá Laboratório de Artes foi fundado pelo ator e diretor Sidnei Caria. O grupo foi formado pelos atores e bonequeiros Lucas Luciano, Silas Caria e Tetê Ribeiro, e posteriormente, Camila Ivo e Eder dos Anjos somaram-se ao núcleo fixo do grupo.
As experimentações da companhia incluem pesquisas com vídeos, teatro de sombras, música, teatro físico, manipulação e criação de diferentes tipos de bonecos, projeção, entre outras propostas artísticas.
Em 2009, além dos trabalhos de cenografia, direção de arte e figurinos, também realizou performances de manipulação de bonecos e live animation em shows musicais da banda Dr Morris e os Vivos e iniciou os trabalhos para a criação de sua primeira produção teatral, que estreou em 2010: Rabisco – um cachorro perfeito. Baseado no livro homônimo do premiado autor e cartunista Michele Iacocca, o espetáculo foi indicado em 03 categorias do Prêmio Coca Cola FEMSA 2010 de teatro infantil e jovem (recebeu o prêmio de melhor adaptação).
Em 2013 o grupo estreou sua segunda produção: O Buraco do Muro, um espetáculo Infanto-juvenil que mistura música, teatro de bonecos, teatro de sombras e teatro físico para contar a história de 3 crianças que descobrem o prazer da leitura, indicado em 03 categorias do Prêmio FEMSA 2013 (recebeu o prêmio de melhor cenário), Prêmio Arte Qualidade Brasil (melhor espetáculo infantil nacional) e Prêmio CPT (melhor espetáculo em sala convencional).
No final de 2013 grupo foi contemplado com o ProAC para a montagem de um novo espetáculo infantil, E.Terra, que trouxe a pesquisa de música ao vivo, transformando o elenco em uma banda.
E no final de 2014, foi contemplado com o 1º Prêmio Zé Renato, que proporcionou a estreia de seu primeiro espetáculo adulto, SPon SPoff SPend. O espetáculo foi convidado a estrear na Mostra Oficial do Festival de Teatro de Curitiba em março de 2015 e fez temporadas no Teatro dos Parlapatões e Teatro Cacilda Becker em São Paulo.
A coprodução As Aventuras de Bambolina foi feita em parceria com a Pia Fraus em 2008. Neste trabalho o Maracujá Laboratório de Artes ficou responsável pelo cenário e direção de arte, além de ter dois de seus integrantes no elenco (Camila Ivo e Sidnei Caria, que também foi o diretor). O espetáculo recebeu 04 indicações ao Prêmio FEMSA 2008 (recebeu o prêmio de melhor direção), e Sidnei Caria recebeu o APCA de melhor ator em teatro infantil.

Baseada no livro do conhecido cartunista Michele Iacocca, Nerina - a ovelha negra é uma opereta com bonecos e atores e é o mais recente espetáculo do grupo, contemplado com o ProAC de montagem infantil e Prêmio Alfa Criança. 

Além destes trabalhos, o Maracujá Laboratório de Artes também participou de eventos corporativos, criando cenários, adereços e bonecos para projetos como a caravana itinerante Água para Vida Água para Todos, da WWF Brasil; Multishow (programa O Circo do Edgar); Manhas e Manias (para as empresas Mabel, Mizuno), Natura, entre outros. Em 2011, o grupo fez a criação de bonecos e adereços para o espetáculo Peixonauta – o caso da grande chuva, da Aventura Entretenimento. Também fez a criação e confecção de bonecos e mini-cenários para o vídeo de entreato do espetáculo Cocoricó – o show, da Chaim Produções, além de desenvolver o roteiro da cena e manipular os materiais. Criou o cenário, bonecos e adereços para o espetáculo Palavra Cantada, sem pé nem cabeça da Chaim Produções baseado nas músicas do grupo Palavra Cantada com direção de Marilia de Toledo.
O grupo já foi contemplado com diversos editais, como FUNARTE Myriam Muniz, CAIXA Cultural, SESI Arte Educação e Viagem Teatral, Prêmio Zé Renato, ProAC, entre outros. Participou de eventos como Virada Cultural, Mostra Melhores de 2013, Circuito São Paulo de Cultura, Circuito Paulista de Artes, Mostra SESC de Teatro de Animação e Festivais como FIT Rio Preto, Festival Internacional de Teatro de Curitiba, FitaFloripa, FILO (Festival de Teatro de Londrina), Festival Internacional de Teatro de Bonecos de Belo Horizonte, FENTEPP (Festival de Teatro de Presidente Prudente), Festival de Arte para Crianças, entre outros.

© 2017 Copyright Maracujá Laboratório de Artes.  / Contact: maracujaartes@gmail.com

  • w-facebook
  • w-tbird
  • w-googleplus